Semana do Calouro 2021-01

11/06/2021 14:57

Os Veteranos do Curso de Oceanografia organizaram atividades de boas vindas aos Calouros 2021-01. Participe !

PROGRAMAÇÃO SEMANA DO CALOURO 
11, 13 e 19 de Junho de 2021

Domingo (13/06) 14:00 as 15:20 

Apresentação da Organização do Curso (Plataforma Moodle, CAO, Tetis, Aloha, Apresentação dos Veteranos).

Sábado (19/06): 14:00 as 14:25

 Interação com os Calouros  (Apresentação dos Calouros, Apadrinhamento, Jogos interativos)

Vídeo de divulgação do curso

29/04/2021 09:34

Gostaríamos de divulgar o novo vídeo produzido pela TV-UFSC com a participação de Camila Kneubl Andreussi e Ronaldo Gabriel Medon Batista, ainda alunos de graduação na época da entrevista.

O vídeo teve a contribuição de fotos e vídeos enviados por professores e alunos.

Agradecemos a Camila e Ronaldo pela participação e a Sra Laura Tuyama,  Sr. Cledison e toda equipe da TV-UFSC pelo trabalho de edição e revisões.

Sistema de análise costeira por imagens de satélite

26/04/2021 14:22

Uma ferramenta para análise e mapeamento das regiões costeiras que processa imagens de  satélite e define as linhas de costa via Computação em Nuvem – ou seja, sem necessidade de armazenamento no dispositivo – é um dos resultados do projeto Bay Squeeze, coordenado, na UFSC, pelo professor Antonio Klein, do Laboratório de Oceanografia Costeira. Um artigo publicado no periódico Environmental Modelling and Software apresenta e detalha o sistema, ainda em desenvolvimento, produzido com a parceria da Universidade do Vale do Itajaí e colaboração da Universidade Federal de Rio Grande, e do COLAB +ATLANTIC LVT, de Portugal. Seus resultados podem prever impactos comparando o passado e o presente e orientando políticas públicas de gestão costeira.

Denominado C.A.S.S.I.E. – Coastal Analysis System via Satellite Imagery Engine, o sistema automatiza um processo que até então dependia da digitalização de fotografias aéreas, com cálculos de sua resolução e comparação com as imagens de satélite disponíveis a uma determinada altitude. “Mais recentemente algumas aplicações comerciais foram desenvolvidas. E outro grupo desenvolveu um sistema que as imagens da área de interesse são baixadas no computador.  O C.A.S.S.I.E. faz todo processamento e definição da linha de costa na ‘nuvem’, a partir de imagens de satélites disponíveis de forma gratuita via Google Enginee, em diferentes plataformas”, explica Klein.

Ferramenta mostra histórico de erosão e acresção em Itapoá, no Litoral Norte (Imagem: Israel Efraim de Oliveira/Univali)

O trabalho de análise das costas possibilita desde a avaliação do impacto da ação humana nas praias e mangues, por exemplo, até a compreensão dos efeitos naturais e processos de erosão e acreção – perda ou acréscimo de sedimentos, respectivamente. As chamadas linhas de costa marcam o limite entre água e terra e podem representar diagnósticos ambientais necessários para políticas públicas.

Klein explica que é necessário estudar o balanço de sedimentos no sistema. Quando deixa de entrar areia numa região, por exemplo, começa um processo erosivo. Já quando a quantidade que entra é maior do que a que sai, também há desequilíbrio nessa balança, neste caso positivo. “Reservatório em rios e obras nas regiões costeiras podem gerar desequilíbrio, mas também o balanço regido pelas ondas, eventos extremos, aumento do nível do mar. Há fatores naturais e também ocasionados pela interferência do homem”, aponta.

De acordo com o pesquisador, o ponto central para se fazer projeções futuras de linhas de costa está justamente na definição da sua variação com relação ao passado. Esse processo é facilitado pela ferramenta. “Pode-se utilizar esta taxa, multiplicada por um período (tempo) para definir área de não edificação na costa.  Ou se soubermos o quanto houve de retração da linha de costa, podemos prever quanto de areia temos de adicionar para que haja uma recuperação da praia para o mesmo período de saída do material”, exemplifica.

O C.A.S.S.I.E. pode ser utilizado por técnicos, mas também por interessados na temática que não sejam necessariamente especialistas. Para acessá-lo, é preciso ter uma conta Google. Os algoritmos do C.A.S.S.I.E. reconhecem uma missão de satélite e, por meio de técnicas de abstração, oferecem um conjunto de imagens precisas e delimitam as linhas de costa.

O sistema, no momento, opera com dois satélites, o Landsat (da NASA )e o Sentinel (da ESA/Copernicus). No início, a ideia era utilizá-lo para a análise de baías costeiras, mas depois a proposta foi ampliada para qualquer região costeira. Com ele, é possível conhecer e monitorar a variação das linhas nas últimas décadas, comparando o passado ao presente ou intervalos temporais pré-determinados. “Havia uma dificuldade destes outros métodos, nem sempre viáveis e de custo elevado”, reforça Klein.

No artigo, os pesquisadores ressaltam que as linhas costeiras derivadas do satélite são analisadas para um conjunto de definições estabelecidas pelo usuário. As comparações de C.A.S.S.I.E. com a taxa de mudanças apresentadas por outros métodos mostram que os produtos desta ferramenta têm precisão de subpixel. “É uma ferramenta completa para apoiar uma ampla variedade de estudos e aplicações onde o conhecimento do comportamento da linha costeira é fundamental”, registram os pesquisadores da equipe.

Bay Squeeze

O sistema C.A.S.S.I.E. é fruto de uma pesquisa maior, intitulada Bay Squeeze -termo que se refere a ideia de aperto, de uma baía em compressão, de falta de espaço. Trata-se de um projeto para o desenvolvimento de metodologias para  prever e mitigar impactos da subida do nível do mar, tendo como estudo de caso a Baía da Babitonga, no Litoral Norte de Santa Catarina, a partir de uma abordagem eco-morfodinâmica. Financiado pelo CNPq, no Edital Baias, o estudo se ancora em quatro metas interligadas para verificar se há mesmo menos espaço entre a areia ou a vegetação e o oceano.

Uma das metas era justamente a elaboração da ferramenta. As outras buscam investigar se está ou não ocorrendo a diminuição de espaço. “Uma das metas nos ajudou a estabelecer o espaço de acomodação disponível e as alterações que vêm ocorrendo no mangue a área adjacentes.  A variação da linha de costa foi feita de forma manual, o que ajudou e incentivou o desenvolvimento do C.A.S.S.I.E.”, explica. Já as demais irão fornecer a taxa de deposição dos sedimentos na baía e a taxa de preenchimento do espaço de acomodação. “Com a linha de costa, batimetria, e dados hidrodinâmicos, teremos as condições de contorno para rodar modelos numéricos”, prevê o pesquisador.

Itapóa, Litoral Norte de SC (Imagem de Fernando Nando por Pixabay)

Segundo dados publicados no artigo Coastal Analyst System from Space Imagery Engine (CASSIE): Shoreline management module, estima-se que 24% das costas de areia em todo mundo estejam sofrendo recuo, enquanto 28% estão acumulando e 48% apresentam estabilidade. Os fatores antropogênicos, ou seja, frutos da ação humana, são encarados como a principal causa das erosões. Por isso, a avaliação quantitativa dessas tendências é vista como um indicador de vulnerabilidade das regiões.

No caso da Baía da Babitonga, onde se concentram as metas do Bay Squeeze, investiga-se a evolução da geomorfologia, estrutura sedimentar, geofísica e ecologia, na área de manguezais. O aumento da pressão humana na região, com o crescimento da população de Joinville ou  aumento da infraestrutura portuária, somada à elevação do nível médio do mar já registram impactos nas linhas.

O projeto utiliza uma abordagem multidisciplinar e inovadora para analisar os impactos e explorar medidas de mitigação e adaptação a estas mudanças. A ideia é contribuir com ações e resultados de preservação do planeta, alinhados com o propósito de cumprir os objetivos de desenvolvimento sustentável estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Reportagem: Amanda Miranda/Agecom/UFSC

Semana de defesas de TCC

26/04/2021 10:05

A Semana de defesa de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) da Oceanografia terá cinco apresentações públicas com acesso online pelo youtube.

Anote na sua agenda os horários e os links para participar:

27/04/2021 às 16:30 – Vitor Hugo Kuhnen de Melo (https://youtu.be/Bmq2oHCNrr8)

28/04/2021 às 09:00 -Victória Silvestre Corrêa (https://youtu.be/qOu-yVwU0uc)

28/04/2021 às 16:00 – Nandara de Bortoli (https://youtu.be/sL_XdQ0CR34)

29/04/2021 às 14:00 – Patrícia Tortora Kother (https://youtu.be/zFfrJ-0I8-0).

 30/04/2021 às 9:00 – Lucas Fragoso Vale Paiva (https://youtu.be/My2btWaUG4g)

Os cartazes de divulgação estão abaixo.

Colação de Grau da Oceanografia

04/03/2021 14:31

Hoje foi realizada a Colação de Grau em gabinete de  Manoela Moreira de Souza, Ronaldo Gabriel Medon Batista, Camila Kneubl Andreussi e Bruna Alves  do Curso de Graduação em Oceanografia – Turma 2020-1.

Parabéns e muito sucesso nas suas carreiras !!!

Agradecemos ao Diretor do CFM, Prof. Nilton Branco e à Secretaria de Curso pela organização da cerimônia.

 

 

 

Colação de Grau da Oceanografia

19/02/2021 16:53

Hoje foi realizada a Colação de Grau em gabinete de  Isabela Keren Gregorio Kerber do Curso de Graduação em Oceanografia – Turma 2020-1.

Parabéns Isabela, lhe desejamos sucesso na profissão de Oceanógrafa !!

Agradecemos ao CFM e à Secretaria de Curso pela organização da cerimônia.

Oficina de organização do tempo e das rotinas acadêmicas

29/01/2021 16:56

A UFSC está promovendo a Oficina Organização do Tempo e das Rotinas Acadêmicas na Universidade através do Programa Institucional de Apoio Pedagógico aos Estudantes (PIAPE).

A “Oficina de Organização do Tempo” será no dia 01/02/2021 as 08:00. A atividade é destinada principalmente a alunos ingressos no ano de 2020, mas outros alunos interessados também poderão participar !

 O link poderá ser solicitado à Secretaria da Oceanografia por email. Os Coordenadores de Curso estarão presentes. Participe !!

Colação de grau da Oceanografia

22/01/2021 13:46

Hoje foi realizada a Colação de Grau de Caroline Rosa Leão da Costa do Curso de Graduação em Oceanografia – Turma 2020-1.

Parabéns Carol, lhe desejamos sucesso na profissão de Oceanógrafa !!

Agradecemos ao CFM e à Secretaria de Curso pela organização da cerimônia.

Regularização da Empresa Júnior

15/12/2020 11:15

Na última Reunião de 10/12/2020 Millenne Ohanna e Henrique Cordeiro nos apresentaram um balanço das atividades da Tétis. Reconhecida pelo Colegiado de Curso, a empresa passou na última etapa de regularização junto à UFSC. Parabéns a todos envolvidos pelo empenho ! O documento pode ser acessado no PDF: Tétis – Gestão 2020.pdf